Comunidade avalia os primeiros anos de governo da Fátima Daudt

por Jornal Canudos

 

Principal reclamação fica por conta da situação da saúde do município

Fátima Daudt é a primeira prefeita de Novo Hamburgo, a gestora está entrando para seu terceiro ano frente à prefeitura hamburguense. Para avaliar esses três anos de governo, a reportagem foi às ruas da cidade saber o que a comunidade avalia a gestão da psdebista.

Entre as principais reivindicações da comunidade está a saúde como as filas nos postos de saúde faltam de médicos e o fato de que agora muitos exames tem de ser pagos, pois, o município não está temporariamente custeando os exames. A justificativa da Administração é a falta de repasses do governo estadual.

Confira o que diz a população:

“Saúde está péssima. Temos que pagar pelos exames de sangue. Precisa muito melhorar saúde e segurança. Tem que melhoras outras coisas também mas daí não só assuntos da prefeitura e sim de todos os governos”. Marlene Duarte, 63, aposentada 

“Não tenho nada para achar. Entra um sai outro e fica pior. Eu ganho um salário mínimo. Sobrevivo só com a aposentadoria e agora temos que pagar pelos exames de sangue”.Maria Celita de Souza, 73, aposentada 

“Lado negativo é a segurança falta investimento. A gente vê obra só no Centro. Os bairros abandonados. Parece que só os poderosos merecem atenção não olham para as minorias”.  Adriana Scolari, 34, comerciante 

“Olha, a saúde está um caos. No mais parece estar indo. Não é só Novo Hamburgo, todos os lugares estão assim. Também não adianta só reclamar. A culpa não é só da prefeita” – Nara Souza, 51, do lar 

“Até agora as coisas estão bem lentas. Para mim o principal problema é a segurança e saúde. Tem farmácias que não tem medicamentos e estão dizendo que só em março que vão liberar exames”.  – Argemiro Souza Junior, 55, segurança 

“Está a mesma coisa. Nada muda. Saúde cada vez pior. Segurança tudo igual. Precisa ser mudado bastante coisas para a população, mas, a saúde é que mais preocupa”.Tainá Silva, 23, dona de casa 

“Só tranqueira nas ruas com as obras do Centro. Tinha que organizar melhor aquilo lá. O atendimento na UBS Canudos está horrível. Mas a segurança da cidade já esteve pior” – Eronita Dapper, 45, professora 

“Está deixando a desejar. Acho que poderia ser melhor. A única coisa que a gente são as obras do centro. Muitas pessoas idosas estão reclamando da saúde nos postos”. Jeverson Fischeborn, 49, agente financeiro