Especial Rua Bartolomeu de Gusmão: o coração de Canudos

por Jornal Canudos

Quando se fala em serviços e comércio no bairro Canudos, é difícil não associar a Rua Bartolomeu de Gusmão. Considerada o “centro” do maior bairro de Novo Hamburgo, 405 empresas e 495 residências escolheram esta, que é a principal via da região.

São 4,1 quilômetros de extensão, que começam na Avenida Victor Hugo Kunz e terminam na Rua Guia Lopes, já no Rondônia. O trânsito intenso de veículos e pedestres são constantes, e lembrados por quem vive ou se estabelece aqui.

Na Bartolomeu está a única Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Novo Hamburgo, assim como filiais de grandes lojas e agências bancárias, o que demonstra cada vez mais a importância da rua para a comunidade moradora da Bartolomeu e para aqueles que acreditam no espírito empreendedor do bairro Canudos, estabelecendo aqui seu local de trabalho.

A seguir você confere a opinião de quem vive, transita e faz esta via ser um ponto de encontro para milhares de pessoas. Gente que utiliza a Bartolomeu de Gusmão diariamente e tem a rua como referência, seja em comércio, indústria ou serviços.

Quem foi Bartolomeu de Gusmão

O padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão nasceu em Santos (SP) em 1685, e notabilizou-se como inventor. Ainda jovem, construiu um aparelho para captação de água, utilizado no seminário em que estudou, na Bahia.

Mais tarde, criou um sistema composto por uma roda de pás que possibilitava a movimentação de uma embarcação por um só homem. Foi estudar em Lisboa, em Portugal, e lá ficou conhecido por sua inteligência. Depois, regressou ao Brasil, onde se ordenou e, voltando a Portugal, foi nomeado capelão da Casa Real.

Sabendo das pesquisas do padre para a construção de um aeróstato em forma de balão movido a ar quente, o Rei D. João VI custeou os investimentos com seus próprios recursos.

Após ter realizado uma primeira tentativa em que o balão se incendiou, seguida de outra bem-sucedida, fez a apresentação de seu invento em 8 de janeiro de 1709 no pátio da Casa da Índia, em Lisboa, na presença da Corte e milhares de curiosos. O aparelho elevou-se a alguns metros de altura.

Graças a esse feito, Gusmão alcançou grande popularidade, sendo chamado pelo povo de “Passarola” e “Padre Voador”. Porém, por preconceito aos seus inventos, caiu no desagrado da Coroa e foi perseguido pela Inquisição, mas conseguiu fugir, refugiando-se na cidade espanhola de Toledo, onde morreu em 1724.

O padre também concebeu um sistema de bombeamento para tirar água de navios. É atribuído a ele, ainda, o registro de um invento que consistia num sistema de lentes para assar carne ao sol.

Fonte: Livro Ruas e Praças de Novo Hamburgo: quem é quem, de Paulo Henrique Kern

Enquete: O que está bom e o que precisa melhorar na Bartolomeu de Gusmão?

Apostamos na Bartolomeu de Gusmão em função do relato do comércio local. Aqui temos um grande público de pessoas trabalhadoras, que valorizam os empreendimentos daqui, além do fluxo intenso. Sem dúvida, Canudos é uma cidade à parte. Nossa escolha também se baseou no fato que a Bartolomeu é o “centro nervoso” da região.

Jair Filho, sócio da Liven Colchões e proprietário da loja da marca

Cada vez mais a Bartolomeu de Gusmão se tornou um “centro de Canudos”, e este é um ponto positivo. Permanecemos aqui justamente em função da rua. Tivemos oportunidade de nos mudarmos para outro endereço, mas preferimos ficar. Acredito, porém, que os estacionamentos são pontos a melhorar, além do asfalto, que é ruim e repleto de remendos.

Vitor Oliveira, proprietário do Mundo da Informática

Abrimos há três anos na Bartolomeu, e é positivo, pois tudo fica aqui perto. A rua, de fato, já esteve melhor, mais movimentada, mas caiu bastante nos últimos tempos. Basta ver a quantidade de prédios para alugar na região, que aumentou. Apesar disso, a princípio, temos a ideia de permanecer na região.

Gabriel Vieira da Silva, gerente da BMG Turismo

Temos que valorizar aquilo que é de Canudos, o nosso bairro. Temos a percepção de que aqui é quase como o centro de Novo Hamburgo, encontramos tudo na Bartolomeu, como bancos, farmácias, boas escolas e serviços públicos. O que falta aqui é um grande supermercado, mas está muito bom.

Célia Böhm, coordenadora da unidade Canudos do Laboratório Exame

Saí do Centro e vim para cá há três anos, e percebi que as pessoas do bairro realmente valorizam o que é do bairro mesmo. Temos muitas variedades de lojas de produtos e serviço aqui na Bartolomeu de Gusmão, e muita gente circula pela rua. O estacionamento daqui é um pouco complicado, sempre bastante disputado.

Mara Machado, proprietária da Intense

Há nove anos tenho negócio aqui, e não se vê um brigadiano ou um agente da Guarda Municipal na frente dos comércios. Tenho dúvida até se a câmera de monitoramento da rua está funcionando. Nasci e me criei em Canudos, então posso afirmar que tem um comércio diversificado e a Bartolomeu, sim, é referência para muita gente aqui e de fora.

Jeverson Fischborn, proprietário da Casa dos Aposentados e Pensionistas do INSS